Viver o evangelho e estar preparados para a vida eterna

A podágra

Na época da poda eu quase não podia ir
A podágra me atacava com força
Muitos achavam que era preguiça
Mas não era
Mesmo com dor eu saía
a procurar a podagraria.

Eu pervargava pelos campos
Na maioria das vezes não a encontrava
É muito rara
Mas nunca desanimava
Sempre saía
Nunca sara
Mas alivia
Será?
Ou será apenas mania?

Acho que na verdade é apenas o prazer da solidão
A percorrer as pradarias
Essa história persiste na minha mente
É produzida pelo fato de estar ausente
De tudo e de todos e até de mim
De onde eu vim?
De uma terra larga, espaçosa
Sem limites, sem fim
Terra boa, generosa
Muito ouro, diamante e marfim

Ruas todas pavimentadas
De ouro puro
Sempre movimentadas
Não havia escuro.
Luz sobrenatural
Sem custo, de graça
Só bondade, nenhum mal
Sem fumo, droga ou cachaça

É o céu
Lá tem podagraria
Mas nem precisava
Lá não tem podágra.

No Comments Yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas