Viver o evangelho e estar preparados para a vida eterna

Centrais Sindicais contra a reforma

 

  • Data: 11/08/2016
  • Veículo: CORREIO BRAZILIENSE – DF
  • Editoria: ECONOMIA
  • Jornalista(s): CELIA PERRONE
  • Página: A11
  • Assunto principal: PREVIDENCIA
  • Veja a página da matéria

Previdência Social
Diversas centrais sindicais prometem realizar em 16 agosto manifestações em todos os estados contra a reforma da Previdência Social e da legislação trabalhista. Segundo o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna, os protestos serão feitos em frente às sedes de federações de indústrias. Os locais foram escolhidos porque as entidades patronais estão pressionando o governo a mudar as regras do sistema previdenciário e a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). De acordo com o sindicalista, as alterações prejudicarão a classe trabalhadora.

Os atos fazem parte do Dia Nacional de Luta em Defesa da CLT, dos Direitos Trabalhistas e da Previdência Social. “O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, fez recentemente críticas à legislação trabalhista. Por isso, vamos para cima dos empresários e do governo, que, com essa política econômica de juros altos, têm aumentado o número de desempregados no país, o que acarreta baixa arrecadação, aumentando, inclusive, o rombo da Previdência”, disse Juruna.

As manifestações terão a presença da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical, União Geral dos Trabalhadores (UGT), Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), Força Sindical e Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB).

Causa comum

Juruna considera que a união das principais centrais sindicais do país dará força à causa dos trabalhadores. “Começamos a conversar esta semana com a CUT e a CTB, que decidiram não participar das negociações até agora por considerarem o governo interino de Michel Temer ilegítimo“, relatou. “Mas é muito bom que se juntem ao movimento agora, pois isso dá mais representatividade à nossa causa, que é comum, uma vez que os direitos trabalhistas estão seriamente ameaçados”, afirmou.

O presidente da CTB/SP, Onofre Gonçalves, disse considerar importante que as centrais mantenham a unidade num momento em que “os trabalhadores de todos os setores estão ameaçados por um governo que nem foi eleito”. “Isso é só um preparativo para a greve geral que vamos convocar”, ameaçou.

“Há anos, lutamos para diminuir a jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais e o presidente da CNI propõe aumentá-la para 80 horas”, disse Gonçalves, referindo-se a uma polêmica declaração feita no mês passado por Robson Andrade. “Pelo andar da carruagem, vão querer implantar a escravidão de novo no Brasil”, acrescentou. A CNI afirma que o dirigente patronal não defendeu o aumento de jornada semanal, mas um debate sobre as leis trabalhistas. Procurada, a CUT preferiu não se manifestar. (grifo nosso)

 

 

No Comments Yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas