Princípios Gerais de Administração

Veja no youtube

A Administração Escolar

1911. O engenheiro Frederick Taylor publica um livro com novas idéias sobre administração de empresas e fábricas.

Boas idéias, de fato.

Para aumentar a produtividade


O principal objetivo da administração
deve ser assegurar o máximo de prosperidade ao patrão
e ao mesmo tempo o máximo de prosperidade ao empregado.


Se exato esse raciocínio,
conlcui-se que o objetivo mais importante de ambos,
trabalhador e administração,
deve ser
a formação e
o aperfeiçoamento do pessoal da empresa,
de modo que,
os homens possam executar em rítmo mais rápido
e com maior eficiência
os tipos mais elevados de trabalho
de acordo com suas aptidões naturais.


Estes métodos revolucionários de trabalho de Taylor
foram a inspiração para a criação da linha de produção que,
de fato,
aumentou muito a capacidade das fábricas de produzirem tudo.
E essas lições de administração
são aprendidas e seguidas até hoje.


Quando você está num processo em que há dominados e dominadores,
o dominador coordena o trabalho do outro.
Controla na verdade o trabalho do outro.
O que nós temos hoje numa sociedade como a nossa.
Você está numa sociedade capitalista.
Ela é produzida a partir da produção do capital.
Do uso do capital.
O dinheiro que compra meios de produção.
E compra aquilo que eu chamo de
força humana coletiva,
mas tecnicamente,
nós chamamos força de trabalho.


Veja, os objetivos são do capital, ou do proprietário do capital. Porque, os meios de vida, as condições objetivas de vida estão nas mãos de uma minoria. Daqueles que são detentores dos meios de produção.

A escola pública também se encontra empregnada pela lógica da organização capitalista do trabalho.

Por isso mesmo é que Ford e Taylor são referências né?

Como é que você vai organizar o tempo, acima de tudo o espaço, nas fábricas/nas escolas, para que haja maior produtividade.

Esse viés da nossa origem, eu diri que ele continua nos infernizando até hoje.

Ele atravessa as teorias de todas as práticas educacionais e as práticas de administração escolar. Em todos os níveis. Das escolas de educação infantil às universidades.

Espere! As não existem para ser administradas ou inspecionadas.Elas existem para que as crianças aprendam

Diferentemente de pregos e parafusos os alunos sentem e falam colocando a organização escolar em posição posição diferente em relação às demais.

A fábrica de parafusos estão preocupada com objetos. Produz objetos. A escola não. A escola lida com seres humanos.

A administração escolar e pedagogia não se separam. A administração escolar, o currículo e o cotidiano da escola não se separa. Porque às vezes há uma separação "que essa é uma área administrativa" e o resto é "pedagógica".

A escola não é apenas difente de uma empresa
As empresas são diferente entre si. Uma fábrica de sapatos é diferente de uma fábrica de televisão. Percebe? Ambas tem um objetivo que é o lucro.

O que distingue uma época econômica da outra é menos o que se produziu do que a forma como se produziu.

O processo capitalista de produção, o processo de trabalho só se manifesta como meio. O processo de valorização, ou a produção da mais valia, como um fim.

Abram alas chegou o capital. G. Karl Mark.

Sim. Vivemos num modo capitalista de produção. Tudo vira produto e tudo pode ser vendido.

E a escola não produz conhecimento? Conhecimento é produto? E se o é, a escola é uma empresa?

Cá do Brasil e do mundo da administração escolar que venha José Kirino Ribeiro Ribeiro.

A escola é uma empresa enquanto visa atender clientela de milhões, reúne grupo de trabalhadores, exige financiamentos astronômicos, exige produção de massa, alta produtividade para atender às mais variadas exigências do mercado social, como qual tem irrevogáveis compromissos de fornecimento à tempo, à hora em quantidades e qualidades que exigem técnicas complexas.

Mark diz que para a lógica capitalista tanto uma escola quanto uma fábrica de salsichas servem para o mesmo fim. Produzir a mais valia. O lucro. E se tanto faz a natureza do negócio o perfil do bom administrador é sempre o mesmo. Enriquecer o empresário.

O mestre escola é trabalhador produtivo se ele não apenas trabalha a cabeça das crianças, mas extenua a si mesmo para enriquecer o empresário. O fato de que este último tenha ivestido o seu capital numa fábrica de ensinar em vez de numa fábrica de salsichas não altera em nada a relação.

E aí tem um princípio básico da administração que é o seguinte:Se a administração é mediação, os meios tem que estar adequados aos fins. A gente não vai pescar com uma metralhadora nem via para a guerra com uma vara de pescar. Temos que usar os meios adequados.

Na empresa capitalista por exemplo é plenamente adequado a sua racionalidade e a sua eficiência que os proprietários dos meios de produção dominem o trabalhador. Não há nada contra. Pelo contrário se ele não dominar ele não consegue o seu lucro. Porque? Porque o objetivo dele é o lucro. E quem se aproxima na apropriação científica do que seja o lucro sabe que o lucro é um excedente do valor produzido pelo trabalhador.

A pergunta que se deve fazer é a seguinte: É possível essa lógica na escola? É possível alcançar o obejtivo educativo dominando o trabalhador? Essa é a pergunta que deve ser feita. Aí eu vou chegar à conclusão que é a seguinte: Não é possível. Não é possível nem em termos políticos. Porque não é aconselhável, nem ético fazê-lo e nem temos técnicos. Porque você tentando fazer isso não consegue fazer nada.

Numa fábrica de sapatos se produz calçados, mas está ao mesmo tempo produzindo valor, que vai dar o lucro.

Na escola o que nós queremos produzir? Lucro? Não!. Principalmente se é pública. O que você quer produzir ali, eu digo de cara, você quer produzir o ser humano histórico.

Fazer parafusos e salsichas não é o mesmo que formar personalidades.

Formar um sujeito histórico, como disse Par, remetendo se a Vigotisk, que por sua vez se inspirou em Mark. Agora, o que existe de administrativo no processo de formação de um sujeito histórico?

O que existe de administrativo na educação é a capacidade de conviver com o outro democraticamente. Isso é conteúdo da pedagogia. Já tá na pedagogia. Percebeu? O mais importante do administrativo já está na pedagogia.

A mesma compreensão de como se colocar a serviço da educação
assumindo uma postura dirigente e não dominante
orientará o trabalho do administrador escolar.


Trata-se de alguém que dirige.
O esforço coletivo dos professores orientando para um fim comum,
ou seja,
o domínio do saber escolar por parte dos alunos.
O administrador escolar é assim
alguém que está a serviço do
serviço que os professores prestam aos seus alunos.
Realmente a gente defende que sejam exatamente um educador
e não um administrador de empresas,
por exemplo,
quem seja um diretor de uma escola.
Eu particularmente acho que nada como um professor pra dirigir uma escola.
Pontuando, escola não é empresa.
Educadores não são gerentes.
Conhecimento não é um produto material.
Em termos políticos a escola tem objetivos antagônicos aos da empresa.
A empresa tem o objetivo de alcançar o lucro,
apropriando-se,
a empresa capitalista,
você pode pensar numa empresa que não se apropria,
é diferente,
apropriando-se do excedente.
Explorando a força de trabalho.
A escola não.
A escola é o contrário disso.
O trabalhador ele é alguém livre,
autônomo,
que propicia condições para que o outro,
ou sujeito, seja livre e autônomo, seja sujeito.
Uma escola, qualquer que seja,
existe pra elevar seus alunos.
Uma escola pública também é isso.
Mas é mais que isso.
Uma escola pública
é mais que uma escola privada porque os trabalhadores
que se reúnem em seu interior,
não tem apenas que produzir passagens,
que signifiquem elevações individuais.
Eles tem que produzir,
indivídual e coletivamente,
a grande passagem do direito postulado
à realização efetiva da educação popular.
Nesse sentido ela é única.
Apenas ela se incumbe de pensar
e realizar
a educação do conjunto da população.
De conceber e promover
a materialização do interesse coletivo.


D-26 - Princípios Gerais de Administração Escolar
Bloco 3: Gestão Escolar
Programa realizado em 2012
Disciplina 26: Princípios de Administração Escolar
Programa 1: A Administração Escolar
Responsável pela disciplina: Celestino Alves da Silva Júnior.

Fontes: